Vivemos em um período de crescimento dos problemas mentais e comportamentais na humanidade. Batemos os recordes da depressão, do suicídio, da ansiedade, dos níveis de estresse, dos níveis de consumo farmacológico e dos níveis de consumo de drogas lícitas e ilícitas.

Estamos na era das tecnologias, mas também, na era das violências entre as pessoas. Bilhões de seres humanos ainda vivem sem saber reconhecer, compreender e processar, de forma saudável, o ciúme, a inveja, a solidão, o medo, a angústia, o luto, a raiva ou a saudade. Somos analfabetos emocionais, mas experts em tecnologia bluetooth e wifi. Em termos de educação emocional, sentimental e comportamental, ainda somos bastante primitivos.

Precisamos criar uma “Cultura da Saúde Mental”. O Janeiro Branco nasceu para isso. Precisamos psicoeducar crianças nas escolas, empresários e trabalhadores em suas organizações, para que todo ser humano reconheça a sua condição psicológica, se interesse por aprofundar esse conhecimento e aprenda a respeitar a condição psicológica dos outros seres humanos.

Que a humanidade, finalmente, inicie um período de paz emocional e de prosperidade sentimental, com mais empatia e compaixão.

 

 

Dr. Alexandre Ghelman, neurologista do comportamento e Diretor da Interativa Saúde